Brasil: PT quer resgatar papel social dos bancos públicos

O líder da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), defendeu o papel dos bancos públicos no fomento da economia brasileira. “Quem vive a vida na Câmara e no Senado sabe o quanto gerou de reação negativa a política deste governo em restringir a atuação do BNDES. Setores da indústria sofreram e ainda estão sofrendo com isso”, explicou o líder às dezenas de pessoas que participaram do seminário Estratégias para Financiar o Desenvolvimento, promovido pelas bancadas do PT no Senado e na Câmara nesta terça-feira (13). Na ocasião foi lançada a Parlamentar em Defesa dos Bancos Públicos.
Com a Frente, os parlamentares querem garantir que instituições como Caixa, Banco do Brasil, Banco do Nordeste, BNDES e outras instituições financeiras públicas continuem exercendo seu papel social como operadores de políticas públicas e do desenvolvimento com inclusão social.
Sugeriu o líder do PT que todos façam um “grande esforço” para envolver o maior número de parlamentares nessa Frente. “Aqueles deputados e senadores que representam setores da economia têm que entrar nesse debate porque os bancos públicos são fundamentais. O crédito agrícola do Banco do Brasil é fundamental para movimentação da agricultura, tanto da pequena, da agricultura familiar, quanto do agronegócio”, ilustrou.
No decorrer do discurso, Carlos Zarattini lembrou de medida proposta pela equipe econômica do governo ilegítimo de Michel Temer que prevê mudanças na taxa de juros adotada pelo BNDES, ou seja, os empréstimos de longo prazo deverão equiparar a TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) à Taxa Selic e à cotação de títulos públicos. “Essa medida da TJLP é criminosa e vai levar a uma debilidade ainda maior da nossa indústria”, sentenciou o deputado.
“Então, temos de discutir isso. É uma questão fundamental. Quando dona Maria Silvia devolveu R$ 100 bilhões para o Tesouro, revelou a política criminosa. Temos que denunciar porque isso está afetando a indústria, o setor de comércio e de serviços, que estão sentindo fortemente”, analisou Zarattini se reportando ao fato recente em que a ex-presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos Marques promoveu a devolução antecipada de R$ 100 bilhões à União.
“Temos o grande debate, mas temos que mobilizar em cima daquilo que são necessidades concretas, que surgem tanto para os setores econômicos quanto para a população de modo geral, que é ter acesso ao banco, ao crédito. Eu acho que essa é uma mobilização que deve ser feita para combater esse modelo que querem impor ao país de forma ilegítima”, conclamou Zarattini.
O deputado Assis Carvalho (PT-PI), que é bancário da Caixa Econômica Federal, é um dos vice-presidentes da Frente e lembrou a luta que liderou no Piauí nos anos 90 contra a privatização dos bancos públicos, no governo de Fernando Henrique Cardoso.
“Sei que estamos diante da repetição da história. Estamos vendo o nosso patrimônio ser desmontado com a entrega do Pré-Sal, com a agressividade desmedida ao BNDES e com a redução das agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal”, disse.
Benildes Rodrigues - PT Câmara.

Comentários